Segunda-feira, 17 de Junho de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather
Segunda-feira, 17 de Junho de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather

Fechou na Neblina Quinta-feira, 24 de Agosto de 2023, 10:41 - A | A

Quinta-feira, 24 de Agosto de 2023, 10h:41 - A | A

INVESTIGADO POR "RACHADINHA"

Denúncia de assédio sexual contra vereador de Campo Verde é acolhida na Comissão de Ética

Segundo o presidente da Câmara, Gregório do Mercado Popular nega a acusação de abuso e de apropriação de salário de servidor

Da Redação

O presidente da Câmara Municipal de Campo Verde (132 km de Cuiabá), Francisco Silvio Pereira da Cruz (União Brasil), conhecido como Silvio Eventos, confirmou ao HNT que a Comissão de Ética acolheu denúncia de assédio sexual contra o vereador Gregório do Mercado Popular (Solidariedade), apelidado de "Mosquito". As acusações de abuso somam-se com a investigação de suposta cobrança de R$ 1,3 mil do salário do servidor L.R.F. Segundo o presidente, Gregório nega as duas situações e tem contribuído com os autos.

"A denúncia é anonomia e chegou pela ouvidoria. Foi despachado para a Comissão de Ética e já não está mais sobre minha competência", explicou Silvio Eventos ao Hipernotícias.

Como Mosquito atuava na presidência da Comissão, a suplente dele, Alaene Francisca Fernandes Costa (Podemos), conhecida como "Boneca", foi convocada para assumir a cadeira. A relatora dos trabalhos é a professora Socorro (MDB). Clebinho do Judô (DC) permanece como membro.

Os vereadores terão 45 dias para avaliar as denúncias, convocar oitivas para ouvir Gregório, o servidor L.R.F e as supostas vítimas dos abusos sexuais. O período de investigação pode ser prorrogado por mais 45 dias. A discussão chega ao plenário apenas depois da emissão de parecer, caso o documento indique alguma punição ou cassação do mandato de Mosquito.

Silvio Eventos conversou com L.R.F que, conforme noticiado pelo HNT em primeira mão, afirma que era obrigado a repassar R$ 1,3 mil do seu salário para "segurar" o cargo no gabinete de Mosquito. Conforme o presidente, a denúncia do servidor é verbal e ele não tem recursos para comprovar a entrega do dinheiro.

"Uma das falas que ele nos contou é que não tem prova. Mas quem vai dar um parecer é a Comissão para depois deliberar se vai a plenário ou não, vai depender das comissões. Ele citou que não havia prova via verbal e papel aqui (na Câmara)", disse o presidente da Câmara.

Escândalo em Campo Verde
As denúncias contra o vereador Mosquito pegaram a população de surpresa. O parlamentar é muito popular na pequena cidade de Campo Verde, com 44.585 mil habitantes. Devido à repercussão, a Câmara fixou um comunicado na home do site esclarecendo que as acusações são apuradas.

"A Câmara Municipal de Campo Verde vem a público informar que recebeu uma denúncia via OUVIDORIA contra o vereador GREGÓRIO DOURADO FILHO e prontamente tomou todas as providências necessárias encaminhando a denúncia para a Comissão de Ética. A partir de agora a Comissão de Ética tem toda a competência para apuração dos fatos. A mesma se reunirá na próxima semana para instaurar um processo ético disciplicar para analisar o caso".

* Com informação HNT

 

Entre no grupo do Alô Chapada no WhatsApp e receba notícias em tempo real 

Volte para capa do Alô Chapada

Comente esta notícia