Terça-feira, 23 de Julho de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather
Terça-feira, 23 de Julho de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather

Fechou na Neblina Segunda-feira, 03 de Junho de 2024, 16:29 - A | A

Segunda-feira, 03 de Junho de 2024, 16h:29 - A | A

GREVE FEDERAL

Professores da UFMT protestam no entorno do campus de Cuiabá

Profissionais paralisaram as atividades no dia 20 de maio em defesa do reajuste salarial; técnicos-administrativos, em greve desde março, também participaram

Do HNT

Em greve desde 20 de maio, professores da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) fizeram uma manifestação na guarita 1 de acesso à instituição, na manhã desta segunda-feira (3), em Cuiabá, pedindo respeito do governo federal nas negociações com a categoria. Os profissionais paralisaram as atividades em defesa do reajuste salarial. Mais de 23 mil estudantes de todos os campi têm sido afetados diretamente pela greve no Estado.

A concentração ocorreu na guarita de acesso à universidade pela avenida Fernando Corrêa da Costa. Os manifestantes caminharam pelo entorno da UFMT. Os profissionais também fizeram panfletagem com informes explicando o motivo pelo qual estão em greve (veja vídeos no fim da matéria).

O ato dos professores contou com a participação dos técnicos-administrativos da Educação (TAE), que também estão em greve desde março. Eles também pedem reajuste salarial, além de plano carreira e melhores condições de trabalho.

"Estamos em greve por dois motivos fundamentais. As universidades e institutos federais de educação estão sofrendo cortes orçamentários que se acumulam desde o último governo (Jair Bolsonaro 2018-2022) e comprometem a estrutura e o funcionamento das aulas, pesquisas, dos laboratórios e da biblioteca. Nossos salários estão absolutamente defasados e sem recomposição. Nossas carreiras têm sido progressivamente desconstruidas", destacou a coordenadora-geral do Sindicato dos Trabalhadores dos Técnico-administrativos em Educação (Sintuf-UFMT), Luzia Melo.

Na semana passada, os sindicatos que representam as categorias recusaram a proposta de reajuste parcelado de 9%, para janeiro de 2025, e 3,5%, em maio de 2026, apresentada pelo governo federal aos professores. Já para os técnicos, a proposta foi de de 9%, em janeiro de 2025, e 5%, abril de 2026.

Cabe destacar que o movimento de greve está ocorrendo em todo o Brasil. O Fórum Nacional das Entidades do Serviço Público Federal (Fonasefe) propôs ao governo federal o rejuste de 7,06%, mas o governo informou que não teria rejuste neste ano, apenas em 2025, de 4,5%.

PARALISAÇÃO EM MT

Em Mato Grosso, professores e técnicos-administrativos da Educação (TAE) da UFMT e da Universidade Federal de Rondonópolis estão em greve. Os servidores do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) também aderiram à paralisação por tempo indeterminado.

O principal pleito da paralisação dos profissionais é o reajuste salarial.

 

 

Entre no grupo do Alô Chapada no WhatsApp e receba notícias em tempo real 

Volte para capa do Alô Chapada

Comente esta notícia

Eduardo 05/06/2024

Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário.

positivo
0
negativo
0

Luiz albino cardoso 04/06/2024

Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário.

positivo
0
negativo
0

MARCIO FERREIRA BORGES 04/06/2024

Há expressões agressivas, ofensas e/ou denúncias sem provas. Queira, por gentileza, refazer o seu comentário.

positivo
0
negativo
0

3 comentários

1 de 1