Segunda-feira, 17 de Junho de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather
Segunda-feira, 17 de Junho de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather

Opinião Quarta-feira, 16 de Agosto de 2023, 07:40 - A | A

Quarta-feira, 16 de Agosto de 2023, 07h:40 - A | A

Jaqueline Naujorks

Pelo direito de ser livre sem medo de morrer

Como pode a sociedade culpar a mulher pela violência que ela sofre?

Jaqueline Naujorks

Nos conhecemos num evento de empreendedorismo feminino, um curso para fortalecer mulheres. Conversávamos de vez em quando sobre a barra que é ser mulher, em um mundo que só tolera mulheres porque precisa delas.

Quando vi sua foto na reportagem como vítima de um feminicídio, a ânsia de vômito que me tomou foi incontrolável. O que se seguiu depois nos comentários nas redes sociais, foi ainda mais digno de ânsia: pessoas culpando Cristiane por ter sido morta por um homem que acabara de conhecer, relegando seu assassinato à uma imprudência dela, e não à maldade absoluta do assassino.

Como pode a sociedade culpar a mulher por ter perdido a vida num ato de violência?
O machismo é uma doença tão arraigada, que a história de vida da Cristiane foi sublimada pela vontade das pessoas de constranger até mesmo sua memória, imputando a ela a absurda culpa por ter aceitado a companhia do homem que lhe tiraria a vida.

Reprodução

cris

 

Você sabe por que o Supremo Tribunal Federal precisou, há poucos dias, tornar inconstitucional a tese de “legítima defesa da honra”? Porque homens que matam suas mulheres são julgados por pessoas comuns, em júris populares, e não por um juiz de toga. Essas pessoas, em pleno 2023, ainda achavam aceitável que um homem assassinasse a esposa se fosse, por exemplo, traído por ela, e votavam por absolvê-lo. É DESSA SOCIEDADE que estamos falando.

O perigo que me impede de correr na rua quando escurece, é o mesmo de eu marcar um encontro pelo Tinder. Onde está o erro? Em mim, que tenho o direito de viver minha vida, ou no homem, que pensa ter o direito de me violentar em qualquer uma das situações?

Cristiane não é um número, não é mais uma na estatística vergonhosa que faz de Mato Grosso um dos estados mais perigosos para uma mulher viver. Ela estava se divertindo em um bar, querendo viver sua vida em plenitude, e um homem se incomodou tanto com seu brilho a ponto de desejar aniquilar essa presença. Esse é o raio-x de todo feminicida: um homenzinho raso, pequeno, ridículo, que se ofende tão profundamente pelo poder de uma mulher, que usa a força que for para retirar do mundo aquela luz que lhe incomoda.

Meu instagram é uma comunidade fechada. Ali nos apoiamos, no desafio diário de suportar viver em uma sociedade incapaz de proteger mulheres e meninas. Cristiane sempre participava das caixinhas, comentava, brincava, deixava sua alegria pelo caminho. Me dói como se eu tivesse perdido uma amiga.

Não se sabe se ela estava consciente, se tinha condições de dizer não, se estava bem. Não se sabe em que nível de vulnerabilidade ela estava, e por quê estava desamparada. O que sabemos é que o assassino é um criminoso reincidente, que estava em um bar. Era ele quem estava no lugar errado.

Qualquer mulher tem o direito de ir a um bar depois de um sábado feliz, conhecer um homem e decidir passar a noite com ele. Homens fazem isso o tempo todo, e jamais são julgados. Quantas vezes você ouviu falar que uma mulher assassinou um homem após passar a noite com ele? Pois bem. Cristiane não foi a primeira. Eis a resposta.

Ser mulher nesse mundo machista é absolutamente insalubre. Mesmo quem luta por um lugar mais digno para as meninas no futuro, se expõe à violência dos homens simplesmente por incomodá-los. Todos os dias quando respondo comentários machistas no tiktok, deixo um rastro de identificação do cara com uma amiga policial. Cada nome, de cada hater, tudo catalogado. Você acha difícil algum deles tentar me matar? Não, não é. Assim como não é difícil você conhecer um homem num bar e acabar assassinada por ele.

A raiz de tudo isso é o machismo. É o homem que tem certeza da impunidade ao violentar, tem certeza do seu direito de dispor da vida da mulher, conforme sua vontade. Do comentário ofensivo ao feminicídio, a distância é pouca. O ódio é o mesmo.

Cristiane não será lembrada como uma mulher ingênua, que acreditou que merecia ser amada sem pensar no perigo. Será lembrada como uma mulher incrível, uma mulher livre, ciente de que tinha o direito de viver o que bem quisesse.

Nós não deixaremos que a memória dela seja maculada pelo julgamento burro de uma gente machista por opção. Para cada comentário ofensivo, haverá uma mana para rebater. Para cada gota de chorume destilado nas redes sociais, para cada dose de mesquinhez de quem não quer se incomodar com esse elefante na sala que é o machismo cotidiano, haverá uma mulher para gritar. Para cada macho metido a conservador que cataloga mulheres pela sua liberdade amorosa e sexual, haverá uma feminista para responder e expor. Para cada machista que essa sociedade formar, 10 mulheres se levantarão aos berros.

Essa é minha esperança.
Que um dia, a resposta dessa luta seja uma mulher, efetivamente, ter o direito de ser livre sem medo de morrer.

Jaqueline Naujorks é repórter e apresentadora do Programa Painel Florestal exibido no Canal Rural.

 

O Alô Chapada não se responsabiliza pelas opiniões emitidas neste espaço, que é de livre manifestação

Entre no grupo do Alô Chapada no WhatsApp e receba notícias em tempo real 

Volte para capa do Alô Chapada

Comente esta notícia