Segunda-feira, 17 de Junho de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather
Segunda-feira, 17 de Junho de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather

Variedades Segunda-feira, 14 de Agosto de 2023, 09:13 - A | A

Segunda-feira, 14 de Agosto de 2023, 09h:13 - A | A

NO FANTÁSTICO

Larissa Manoela revela que só tinha 2% do próprio negócio e os pais 98%

A atriz fez graves relatos sobre sua relação com os pais

Portal Léo Dias

A polêmica entrevista de Larissa Manoela ao programa Fantástico da TV Globo foi ao ar na noite deste domingo (13) e deixou os telespectadores surpresos com os fortes relatos sobre o relacionamento da atriz com os pais, Silvana Taques e Gilberto Elias. A atriz revelou que após buscar contador, descobriu que tinha apenas 2% de cotas da própria empresa.

Larissa falou pela primeira vez sobre o rompimento com os pais, que administraram toda sua carreira profissional até aqui, e relatou que recentemente buscou um escritório de advocacia e pediu ao contador os contratos sociais das três empresas das quais era sócia.

A primeira, Dalari, foi aberta pelos pais quando ela tinha 13 anos, em outubro de 2014, pra gerir a carreira da filha, todos os contratos e pagamentos. A empresa também concentra a maior parte do patrimônio adquirido ao longo da vida profissional da atriz.

Em outra gravação feita por Larissa, no fim do ano passado, o pai e a mãe afirmam que os três tinham cotas iguais, de 33%, nesta empresa. Mas na verdade, não era bem assim, Larissa contou que descobriu que a porcentagem que ela tinha era de 2% da cota e, os pais, 98%.

Já a segunda empresa, aberta em junho de 2020, quando ela tinha 19 anos, pertencia somente à Larissa, mas uma cláusula dizia que os pais tinham plenos poderes para tomar decisões sem prévia autorização da filha.

“Eu era a única sócia, mas eles eram 100% administradores dessa empresa. Então, por isso que eu era só comunicada. Eles podiam decidir, assinar e se comprometer por mim”, relata.

A terceira empresa é uma holding dividida em três partes iguais, criada em maio do ano passado para reunir todo o patrimônio que estava na primeira empresa, o que segundo Larissa nunca aconteceu.

 

Entre no grupo do Alô Chapada no WhatsApp e receba notícias em tempo real 

Volte para capa do Alô Chapada

Comente esta notícia