Sexta-feira, 17 de Maio de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather
Sexta-feira, 17 de Maio de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather

Geral Sexta-feira, 25 de Agosto de 2023, 07:57 - A | A

Sexta-feira, 25 de Agosto de 2023, 07h:57 - A | A

AGOSTO LILÁS

Politec oferece atendimento 24 horas para mulheres vítimas de violência

Equipes de enfermeiros, médicos legistas e psiquiatras atuam em plantões ininterruptos

Da Redação

A Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) oferece atendimento 24 horas para vítimas de violência encaminhadas pela Polícia Civil, com equipes de enfermeiros, médicos legistas e psiquiatras que atuam em plantões ininterruptos. No primeiro semestre de 2023, a Diretoria Metropolitana de Medicina Legal já atendeu mais de 550 casos de violência contra a mulher, sendo eles perícias de lesão corporal, constatação de violência sexual, odontologia legal e violência psicológica.

A instituição reforça a campanha Agosto Lilás que busca conscientizar a sociedade sobre a necessidade do fim da violência contra a mulher, seja ela física, sexual, moral, psicológica ou patrimonial. O mês ainda visa intensificar a divulgação da importância da denúncia sobre os casos de violência.

A coordenadora de perícias em vivos do IML, Alessandra Carvalho Mariano, ressaltou a importância da divulgação das redes de apoio disponibilizadas pelo poder público para prevenir e punir os agressores, e evitar a ocorrência de novos casos de violência contra a mulher.

“Com a regularidade das divulgações e orientações da população, as mulheres se sentem mais seguras para denunciar. A informação é uma ferramenta importante nessa luta, é fundamental que vítimas, familiares e amigos identifiquem uma violação, busquem ajuda, denunciem o crime e quebrem o ciclo de violência.”, afirmou.

Nas unidades de medicina legal do Estado, são realizadas perícias com o objetivo de materializar e identificar a ocorrência de um crime.

No Instituto Médico Legal (IML) do Bairro Jardim Universitário, em Cuiabá, as vítimas são recebidas na Sala Lilás, um ambiente acolhedor com profissionais capacitados e orientados a priorizar o atendimento para que a vítima se sinta mais segura. Há um projeto para a instalação dessas salas em todas as unidades do Estado.

Reprodução

ago lilas

 


A coordenadora faz um alerta para os sinais de violência psicológica. “Geralmente as mulheres são encaminhadas para o IML quando há sinais de violência física, entretanto, o IML também pode materializar quando há sintomas de violência psíquica. Nas delegacias, agora as mulheres estão identificando quando estão sofrendo este tipo de violência., ou seja elas já estão denunciando antes de o agressor a baterem”, comentou.

A perita oficial médico legista Veronica Brandão também destacou a importância da atuação dos profissionais de saúde desde os primeiros atendimentos à vítima.

“Os profissionais da saúde devem possuir uma visão critica, para qualquer suspeita, em caso de uma lesão de origem mal explicada, acionar os policiais para averiguação, pois muitas vezes as vítimas buscam apenas o atendimento em unidades de saúde e não buscam uma delegacia”, disse Verônica.

A Lei Maria da Penha foi promulgada em 7 de agosto de 2006 por meio da Lei Federal n.º 11.340, visa reduzir e punir os casos de violência contra a mulher.

Reconhecer as fases do ciclo de violência é parte fundamental para que se possa encerrá-lo com maior facilidade. A “fase 1” consiste no aumento da tensão, onde o agressor o agressor mostra-se tenso e irritado por coisas insignificantes, chegando a ter acessos de raiva. Ele também humilha a vítima, faz ameaças e destrói objetos. A “fase 2” corresponde ao ato de violência propriamente dito, onde a falta de controle chega ao limite e toda a tensão acumulada na fase anterior se materializa em violência verbal, física, psicológica, moral ou patrimonial.

A fase três corresponde ao arrependimento e comportamento carinhoso, também conhecida como “lua de mel”, que se caracteriza pelo arrependimento do agressor que se tona amável para conseguir a reconciliação.

 

ago lilas

 

Denuncie
Para denunciar um caso de violência doméstica, entre em contato com a Central de Atendimento à Mulher Violentada

LIGUE 180 em todo território nacional.

LIGUE 181 em todo o Estado mato-grossense.

LIGUE 190 para entrar em contato com a Polícia Militar.

LIGUE 197 para falar com a Polícia Civil.

Todos os canais de comunicação funcionam 24 horas por dia, todos os dias da semana incluindo fim de semana e feriados.

A denúncia é confidencial.

* Com acessoria

 

Entre no grupo do Alô Chapada no WhatsApp e receba notícias em tempo real 

Volte para capa do Alô Chapada

Comente esta notícia