Sexta-feira, 21 de Junho de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather
Sexta-feira, 21 de Junho de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather

Geral Segunda-feira, 19 de Junho de 2023, 10:03 - A | A

Segunda-feira, 19 de Junho de 2023, 10h:03 - A | A

FAUNA DO PANTANAL

Câmeras de monitoramento auxiliam Sema a identificar pontos de maior incidência de animais silvestres na Transpantaneira

O trabalho permitirá que a pasta elabore um mapa de incidência das espécies, com identificação dos pontos de importância ambiental e emergencial

Renata Prata | Sema-MT

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) está utilizando Câmeras Trap (armadilha fotográfica) para realizar monitoramento da Fauna Silvestre na Estrada Parque Transpantaneira e seu entorno, na região de Poconé. O trabalho permitirá que a Pasta elabore um mapa de incidência das espécies, com identificação dos pontos de importância ambiental e emergencial.

A identificação dos pontos de travessia de animais silvestres, por exemplo, possibilitará que algumas ações sejam adotadas visando reduzir o número de atropelamentos. Já os pontos com maior incidência serão utilizados para melhorar as estratégias de conservação durante eventos climáticos severos, como épocas de seca e incêndios florestais.

A Estrada Parque Transpantaneira faz parte da BR-060, que liga a cidade de Poconé à comunidade Porto Jofre, localizada na margem do rio São Lourenço/Cuiabá. São, aproximadamente, 150 km de extensão de uma estrada elevada dentro do Pantanal.

A analista de Meio Ambiente Neusa Arenhart, da Coordenadoria de Fauna e Recursos Pesqueiros, explica que esse monitoramento é essencial, pois permite avaliar os impactos decorrentes da estrada com a movimentação de veículos, animais domésticos, pessoas e o próprio barulho que é estranho ao ambiente.

“É importante para entender as alterações a que são submetidas as comunidades da fauna que vivem e transitam na estrada parque e no seu entorno. As informações coletadas contribuem para planejar e colocar em prática ações que visam minimizar e mitigar essas alterações, uma vez que a Transpantaneira é um empreendimento, hoje necessário, porém, com grande potencial de impacto ambiental”, ressalta Neuza.

Registros
São 15 câmeras que fazem parte de um programa para conhecer, monitorar e acompanhar a fauna silvestre do Pantanal. Com um pouco mais de um ano de funcionamento, já que foram instaladas em abril do ano passado, realizaram registros raros e captaram imagens de animais ameaçados em extinção.

Foram registrados até o momento 32 mamíferos, 64 aves e 5 répteis. Lobo-guará, tatu canastra e queixada são algumas espécies ameaçadas registradas e que dificilmente têm suas imagens captadas por câmeras. Outras espécies ameaçadas que aparecem nos vídeos são Tamanduá-bandeira, onça-pintada, macaco-prego e anta.

Algumas cenas consideradas raras foram registradas durante este período, como a imagem de Bugio, Caxinguelê e sagui, que são animais com hábitos arborícolas. Outras imagens curiosas são animais silvestres carregando sua presa, entre eles onça-pintada, jaguatirica, cachorro-do-mato e gavião-preto.

“Uma parte importante desse projeto é a conversa que temos com proprietários de fazendas e pousadas. Pegamos as imagens e mostramos para as pessoas. Eles vibram quando vêm os animais nas câmeras, principalmente os que estão com filhotes e o que mais chama atenção, claro, são as onças. É curioso a surpresa de alguns moradores ao observarem animais que são raros de serem vistos, como por exemplo o tatu canastra e o gato mourisco, comum no Pantanal mas muito difícil de serem avistados. É muito legal essa parte de sensibilização, falar sobre o projeto, divulgar os trabalhos”, destaca o analista ambiental Marcos Ferramosca, um dos responsáveis pelo projeto pela Coordenadoria de Fauna e Recursos Pesqueiros.

Monitoramento
As câmeras estão fixadas nas estradas vicinais ao longo da Estrada Parque Transpantaneira e outros pontos identificados como passagens da fauna silvestre. As câmeras Trap estão programadas para gravar vídeos de 10 segundos, com intervalo mínimo de 60 segundos. Sempre que um animal passa em frente às câmeras, elas começam a gravar, devido ao sensor de calor presente no equipamento.

O monitoramento contribui para o conhecimento da diversidade de animais silvestres que circulam na área da Estrada Parque Transpantaneira. Com as câmeras é possível registrar a diversidade, abundância de espécies, frequência relativa, padrões de atividades diária e sazonal, saúde ao medir estado nutricional e alguns aspectos comportamentais (reprodução, alimentação e socialização).

 

Entre no grupo do Alô Chapada no WhatsApp e receba notícias em tempo real 

Volte para capa do Alô Chapada

Comente esta notícia