Sexta-feira, 17 de Maio de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather
Sexta-feira, 17 de Maio de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather

Geral Quarta-feira, 08 de Novembro de 2023, 13:09 - A | A

Quarta-feira, 08 de Novembro de 2023, 13h:09 - A | A

DÍVIDA

Ministro da Agricultura terá que pagar quase R$ 700 mil a empresário de MT

Familiares de Carlos Fávaro também foram condenados a pagar dívida contraída em 2018. Ex-senador entrou na Justiça para não pagar.

Da Redação

O ministro da Agricultura, Carlos Fávaro (PSD), e outros seus três familiares, terão que pagar R$ 691 mil ao empresário Ramiro Azambuja da Silva, por uma dívida contraída em 2018. A decisão é do juiz Cassio Luis Furim, da 1ª Vara Cível de Lucas do Rio Verde.  O político e sua família assinaram um documento de confissão de dívida, no valor de R$ 550 mil em 2018, em razão de um empréstimo que foi contraído. O termo de confissão de dívida funciona como uma promissória, mas não especifica para que fins o recurso foi direcionado.

Ramiro da Silva entrou na Justiça em junho daquele ano para exigir a quantia, contudo os juros cobrados foram questionados por Fávaro. “Os cálculos apresentados pela Requerente estão consubstanciados de abuso em sua cobrança. Conforme a estimativa apresentada a seguir, aplicando o percentual de 1% ao mês sobre o valor da dívida exigida pela Requerente, de R$ 660 mil”, diz trecho do documento.

“No mérito sustentam a abusividade da multa contratual de 20% e pretendem a redução para 10% (em obediência aos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade e em conformidade com o art. 9ª do Decreto nº 22.626/1933), ultrapassando os critérios de proporcionalidade e razoabilidade em comparação com o valor inicial da dívida. Há uma verdadeira exorbitância entre o valor da dívida e o valor da multa moratória cobrada pela Requerente, notoriamente, levando ao seu enriquecimento ilícito”, solicitou o ministro.

Entretanto, o juiz Cássio Luís Furim alegou que o simples descontentamento de Fávaro não dá motivo ao recurso postulado. “Com efeito, os Embargos de Declaração constitui recurso de rígidos contornos processuais (recurso de fundamentação vinculada), consoante disciplinamento imerso no artigo 1.022 do Código de Processo Civil, exigindo-se, para seu provimento a presença dos pressupostos legais de cabimento”, descreveu o magistrado, na decisão publicada na segunda (06). “Inocorrentes as hipóteses de omissão, dúvida, contradição, obscuridade ou erro material, não há como prosperar o alegado”, concluiu.

 

Entre no grupo do Alô Chapada no WhatsApp e receba notícias em tempo real 

Volte para capa do Alô Chapada

Comente esta notícia