Quarta-feira, 29 de Maio de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather
Quarta-feira, 29 de Maio de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather

Geral Quinta-feira, 14 de Março de 2024, 06:41 - A | A

Quinta-feira, 14 de Março de 2024, 06h:41 - A | A

CONTORNO LESTE

Defensoria atua para garantir comida e abrigo para famílias desalojadas da Ocupação Brasil 21

Mais de 100 famílias foram removidas do local e estão abrigadas temporariamente no Centro Comunitário do bairro Jardim Fortaleza, em Cuiabá

DA REDAÇÃO

A Defensoria Pública de Mato Grosso está realizando tratativas com movimentos sociais, sociedade civil e a Secretaria de Estado de Assistência Social e Cidadania (Setasc) para conseguir um abrigo decente e cestas básicas para as famílias desalojadas da Ocupação Brasil 21, no Contorno Leste, em Cuiabá.

“Estamos em contato com a Secretaria de Assistência Social para que forneça um banheiro químico, pelo menos uma cesta básica para cada família, e colchões”, afirmou o defensor público Fábio Barbosa, que vem acompanhando o caso.

No processo, a Defensoria Pública atua como “custos vulnerabilis” na defesa das famílias de baixa renda, em situação de vulnerabilidade, apesar de existir um advogado particular representando a associação de moradores.

A ocupação conhecida como Brasil 21 teve início em 2022, na região do Contorno Leste, em Cuiabá, e mais de 100 famílias residiam no local.

Na última segunda-feira (11), após determinação judicial, a Polícia Militar iniciou a desocupação da área e entrou em confronto com os moradores. Alguns, inclusive, chegaram a passar uma noite debaixo de uma ponte e às margens da avenida Contorno Leste.

Desde terça-feira (12), as famílias estão sendo encaminhadas para um abrigo provisório no Centro Comunitário do bairro Jardim Fortaleza, na capital.

Porém, o local não comporta as mais de 100 famílias. Conforme o defensor, as pessoas que ocupavam a área, a grande maioria de baixa renda, não estavam conseguindo retirar partes das casas, como telhas e janelas, apesar da decisão judicial autorizar os moradores a levar embora materiais de construção.

“Existem rumores sobre a presença do crime organizado no local, esta é a realidade da maioria das comunidades, especialmente as mais carentes, sem qualquer assistência do Estado. Os criminosos, se existem, são alguns. A maioria é composta por trabalhadores, pais e mães de família, que acabam sendo duas vezes vitimizados, uma pela condição social e pelo abandono do poder público, e a segunda, porque eles são pressionados de uma certa forma pelo crime organizado. A maioria das pessoas ali é de bem e é por elas que a gente luta”, relatou o defensor.

Nesta quarta-feira (13), os ex-moradores da área se reuniram com representantes do Governo do Estado e com a Assembleia Legislativa para discutir uma solução para o caso.

Inicialmente, a Prefeitura de Cuiabá afirmou que havia 26 famílias vulneráveis no local. Porém, após uma revisão, foi apontado que apenas uma família vulnerável, dentre as mais de 100, ocupava a área.

Diante disso, o Núcleo Estadual Especializado em Conflitos Fundiários da DPMT entrou em contato com a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) para fazer um levantamento completo de quantas pessoas em situação de vulnerabilidade residiam no local.

O Contorno Leste é uma região localizada entre os bairros Dr. Fábio e Osmar Cabral, em Cuiabá, e já foi palco de diversos conflitos de terra e também por ações policiais.

A área foi muito visada depois que a Prefeitura de Cuiabá anunciou a construção do Contorno Leste, atravessando 50 bairros e culminando na rodovia Emanuel Pinheiro (MT-251).

A Prefeitura de Cuiabá informou que os maquinários, que estão demolindo as casas, não pertencem ao município, mas à empresa responsável pelo processo de reintegração da área.

Linha do tempo

A ação de reintegração de posse foi movida pela Ávida Construtora e Incorporadora S/A no dia 29 de outubro de 2022.Em novembro do mesmo ano, o Juízo da Segunda Vara Cível Especializada em Direito Agrário de Cuiabá deferiu a medida liminar para reintegração da autora na posse do imóvel, mas suspendeu o cumprimento da liminar até deliberação da Comissão de Conflitos Fundiários, em consonância com a decisão do ministro do STF, Luís Roberto Barroso, na ADPF 828/2021, que suspendeu as remoções forçadas no país por conta da pandemia de Covid-19.

No dia 9 de fevereiro de 2023, a Justiça decidiu revogar a suspensão e ordenar o cumprimento imediato da reintegração de posse, com base na data de ocupação do imóvel (outubro/2022), posterior ao início da pandemia.

No dia 10 de março de 2024, a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Carmen Lúcia, julgou improcedente a reclamação proposta pela Associação dos Moradores Brasil 21, que buscava a suspensão da ordem judicial de reintegração de posse na área.

Na decisão, a ministra enfatizou a necessidade de cumprimento das ordens judiciais de reintegração de posse com respeito aos direitos fundamentais dos ocupantes, especialmente os mais vulneráveis, e reforçou a proibição do uso desproporcional da força.

A ministra apontou também que o poder público deve assegurar locais adequados para o encaminhamento das famílias desalojadas, em consonância com o princípio da dignidade humana.

 

*Com informações do Hipernotícias

 

Entre no grupo do Alô Chapada no WhatsApp e receba notícias em tempo real 

Volte para capa do Alô Chapada

Comente esta notícia