Terça-feira, 28 de Maio de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather
Terça-feira, 28 de Maio de 2024
facebook instagram youtube twitter whatsapp
Chapada dos Guimarães
icon-weather

Chapada Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2024, 18:58 - A | A

Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2024, 18h:58 - A | A

OBRA NA MT-251

Presidente do TCE diz que as telas que estão sendo colocadas no Portão do Inferno "não evitam absolutamente" nada

Da Redação

De acordo com o Presidente do Tribunal de Contas (TCE-MT), conselheiro Sérgio Ricardo, as telas que estão sendo colocadas no Portão do Inferno, na MT-251, a estrada de Chapada dos Guimarães, "não evitam absolutamente" nada.

Aquela situação já é emergencial há décadas. É uma obra feita em 1978. Essa obra que estão fazendo não vai resolver. Na minha opinião, está abrindo mais o buraco do Portão do Inferno. Estado falhou por não fazer um projeto, qual é a obra que resiste desde 1978? Não existe projeto nenhum. Nenhum do Governo", disse em entrevista ao programa Tribuna de segunda-feira (15). Ouça aqui o PodCast

O conselheiro disse ainda que a culpa dos deslizamentos de terras na MT-251 é totalmente do governo do Estado por não ter nenhum projeto naquela região, que é utilizada há décadas.  Segundo Sérgio Ricardo falta transparência sobre a real situação do trecho. Por isso decidiu reunir todas as autoridades de Cuiabá e Chapada dos Guimarães "para dar solução ao problema". 

Luís Minhoca | Alô Chapada

Visita portão

 

O presidente do TCE disse que o Executivo estadual coloca a culpa no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e no Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio) por não estar com "poder" para administrar obras na região "mas o instituto não proíbe nada, desde que tenha um projeto", afirmou. Porém, não existem projetos do governo para o trecho do Portão do Inferno, na MT-251", alegou.

O TCE reuniu na semana passada, políticos,  empresários da cidade, na última sexta-feira (12), para mostrar a real situação do local. Deslizamentos de terras chamam atenção desde dezembro de 2023, quando até mesmo o asfalto começou a rachar.

Os desmoronamentos não ocorrem apenas na parte superior, mas também embaixo do asfalto. Acontece que, segundo o presidente, o que parece uma formação rochosa, na verdade, é material de arenito. Portanto, quando chove, a terra suga a água e causa a desintegração do material.

"Na minha modesta opinião, realmente aquela obra não vai resolver, aquela tela é fixada na parede de uma barra de 3 metros, mas não tem pedra, aquilo é uma areia. Logo então essas barras não estão sendo fixados, porque estão enfiando uma barra de ferro em um material de arenito. A solução imediata para a situação, se possível fazer amanhã, é fazer um desvio, cortar aquele monte de areia, tirar o monte que está colocado no pontilhão, fazer outro pontilhão ao lado fora do buraco, porque o pontilhão está feito em cima do buraco do Portão do Inferno. Esse buraco aumentou e está totalmente com erosão por baixo e você vê até rachadura no asfalto", explicou.

Com a Gazeta Digital

 

Entre no grupo do Alô Chapada no WhatsApp e receba notícias em tempo real 

Volte para capa do Alô Chapada

Comente esta notícia

Nina Rosa 18/01/2024

Sejam humildes, chamem o Tarcísio! Pra asfaltar um trechinho próximo da Polícia Militar, na duplicação dis 17km, demorou mais de ano, por causa de um tal bichinho que o meio ambiente não podia desconsiderar, imagina o ICMbio que acha até pelo em ovo.

positivo
0
negativo
0

Luzy 17/01/2024

Fato. Engenharia de primeira... É para o povo que não representa NADA aos responsáveis em dar proteção e segurança quanto a ação causada pela natureza que hoje cobra do homem aquilo que dela tirou um dia.

positivo
0
negativo
0

Maria jose bettker 17/01/2024

Em 2021 enviei uma msg no messenger do entao deputado wilson santos ,dizendo da sua influência no mundo politico que falasse e lutasse por nós junto aos órgãos competente ,sobre esse deslizamento de terra que aconteceu em 2021 e qualquer hora poderia acontecer uma tragedia , tbem dando graças a Deus que nada de mas grave aconteceu naquela data ,pedi então que fizessem uma contenção com alambrando ,abraçando todo esse Morro que estava desmoronando.Dei exemplo da estrada entre rio de Janeiro sao Paulo e Minas,onde eu havia feito essa observação vindo de carro nesse trajeto ,lá não era fixado tela de galinheiro e sim uma tela tipo alambrado bem resistente,com isso não sofreria danos ambientais .Pois é o sr Wilson santos me respondeu que lá no portão do inferno as equipes dos órgãos competente faziam monitoramento constante.Moral da história calou a minha boca néée.Sou biológica e enfermeira aposentada.

positivo
0
negativo
0

3 comentários

1 de 1